top of page
rias muros y noia-7.jpg

Rías de Muros Noia: O Caminho do Mar

Textos e fotos: Guillermo Cachero

O mar foi quem carregou o resto do apóstolo  a Compostela, mais tarde no século XII foram os cruzados que se aproximaram do Santo por mar para que ele os protegesse na sua luta em Jerusalém. É por  tanto o mar o primeiro caminho de FE. E para recuperar esse "jeito"  nasce a nova proposta  A VIA MARÍTIMA  DA RIA DE MUROS NOIA , uma experiência para chegar ao apóstolo em um veleiro. ideal para meditar no oceano e se conectar com a flora e fauna marinha  do arquipélago das Ilhas Cíes em   as ilhas atlânticas da Galiza, e descubra cidades medievais no meio da ria, como Muros e Noia, entre outras. 

No decorrer  Do século XII ao XVI, esta foi a rota utilizada pelos ingleses, alemães, flamengos e por quem vinha de países escandinavos, como a Noruega, Suécia, Dinamarca, Finlândia ou Islândia. Tudo começa quando uma frota de ingleses, alemães e flamengos estava numa cruzada para a Terra Santa e parte dela foi desviada para Portugal para ajudar o rei deste país a conquistar Lisboa. Sendo um país próximo  Santiago de Compostela decidiu  chegar ao Apóstolo para pedir ajuda em seu propósito. A sua conclusão pelos ingleses ocorreu quando o Rei Henrique VIII, teve o seu rompimento com a Igreja Católica, devido ao seu divórcio com Catarina de Aragão – origem da Igreja Anglicana e do Anglicanismo –, provocou o fim da peregrinação inglesa e condenou ao ostracismo este percurso durante séculos.

Um percurso que para os fiéis católicos que vinham daquelas terras distantes, reduzia a peregrinação a cerca de três semanas, ida e volta, face aos quase cinco meses que a viagem durava para quem atravessava a França e os Pirinéus a pé, com o perigo de estradas infestadas de bandidos e ladrões de todos os tipos.

Atualmente para homenagear os primeiros  peregrinos que vinham de países distantes, " O CAMINHO MARÍTIMO  DA RIA DE MUROS NOIA ".  Um caminho que o Capítulo Catedral de Santiago  declarado oficial em 15 de dezembro de 2020, após uma investigação de três anos, durante a qual a cartografia e a documentação histórica foram revisadas para serem reconhecidas como uma rota jacobina em igualdade de condições com as estradas terrestres  como ele   Francês, Português, Inglês, Norte etc., e   receber a "compostela", diploma que  reconhece que o caminho está feito, para isso  Você deve fazer 90 milhas por mar de veleiro e 10 quilômetros por terra.  e a rota  A VIA MARÍTIMA  DA RIA DE MUROS NOIA ,  cumpre totalmente com ele.  

Para justificar a viagem, cada peregrino recebe um passaporte no início do percurso.  o que deveria  vá selar  em qualquer estabelecimento comercial da rota e deve conter seu nome, DNI e a data de início, e junto ao carimbo a data do mesmo.  

 

A VIA MARÍTIMA  DA RIA DE MUROS NOIA,  começa em Vigo e leva-nos a Portosin num veleiro da empresa  Sailway , que pode ser alugado com  ou nenhum padrão. Uma viagem que percorre a Ria de Muros Noia  visitando   as Ilhas Cíes, Pedras Negras, San Vicente do Mar ou Grove,  Baía de São Francisco, Muros, Noia e  Portosin e já por terra desde  Betamirans até  a cidade do Apóstolo.  Em cada chegada ao porto  as ilhas e vilas são visitadas fazendo o "caminho"  além do marítimo  ser terrestre para   conhecer a beleza de suas praias e cidades medievais e aproveitar a  excelente gastronomia galega.  

isla cies.jpg

É um caminho para desfrutar de uma viagem marítima com belas vistas das cidades que margeiam o estuário como Cangas e Moañas.  e as maravilhosas ilhas atlânticas da Galiza; as três ilhas que compõem o arquipélago de Cíes;  Ilha de São Martinho, Ilha de Faro e Ilha de Monteagudo.  S  as  ilhas de  Ons, Salvora e Cortegada.

verdadeiro  paraísos naturais   com praias de águas cristalinas azul-turquesa, que são Patrimônio Natural, já elogiadas pelos romanos como   ilhas dos deuses   E não é à toa que ela foi escolhida por  deuses porque poucos reúnem a beleza de suas praias. UMA  atração não só   de deuses e humanos desde o devido  para a circulação da água  que entram e saem do estuário ao qual a água doce é adicionada favorece a concentração de microrganismos, constituindo fonte de alimento para todas as espécies marinhas,  e não é incomum ver como eles se aproximam de suas águas  golfinhos, baleias e focas.

Viver permanentemente em suas águas  lagostas, caranguejos, polvos, percebes, mexilhões, ouriços-do-mar, linguados e pregados entre outras espécies marinhas, com uma vegetação variada. É um dos  rico ecossistema  submarino ao largo da costa galega. 

ANÚNCIO

isla cies-2.jpg
isla cies-3.jpg

Ilha de Faro ou  do Médio  Acabou juntando-se à Ilha do Norte por uma acumulação de areia no interior do arquipélago.  No lado leste das ilhas, fica a praia de Rodas, a Laguna dos Nenos e  a ponte cruzada que atravessa aquela lagoa que nos aproxima da extremidade da ilha e onde se situam o parque de campismo de Cíes e o Centro de Interpretação da Natureza do parque.  Ao subir o  maré , a água passa entre as duas ilhas do lado oeste e, bloqueada pela praia, enche-se a lagoa formada entre a areia e as rochas e forma-se a lagoa.  É maravilhoso ver o quebrar das ondas  contra as rochas e como a água penetra por alguns buracos em direção ao lago. .  

isla cies_.jpg
isla cies cormoran.jpg

O shag é um dos  as aves marinhas mais abundantes da ilha, uma espécie em perigo de extinção, este parque nacional alberga a maior parte desta ave  na Espanha. Uma ave que se desenvolve com maior maestria no meio marinho do que a gaivota. Cerca de 1.500 casais se reproduzem anualmente nas Cíes, que é uma das maiores concentrações da Europa.

Geralmente são vistos empoleirados em rochas ou voando ao nível do mar, nadando ou mergulhando. Os shags são um exemplo de adaptação ao meio marinho, e são projetados para funcionar livremente debaixo d'água, e assim capturar pequenos peixes que servem de alimento.

E não é exatamente   o shag o pássaro mais abundante. O arquipélago das Ilhas Cíes é um local privilegiado para nidificar,  e a gaivota é a rainha das ilhas pois tem  mais de 22.000 exemplares, é  o lugar do mundo onde eles constituem a maior concentração  desta espécie.

Sendero mader pedras negras.jpg

Depois de visitar as ilhas continuamos navegando até o porto de San Vicente do Mar onde você pode dormir  no veleiro ou em um hotel, depende da contratação da rota.  A grandeza deste novo "caminho" é poder desfrutar da aventura do mar e  das cidades que compõem as regiões de Muros e Noia, não podemos esquecer que estamos na rota das Rías Baixas  da Galiza, que possui uma riqueza natural extraordinária,  praias paradisíacas e uma gastronomia suculenta e variada onde os produtos do mar são a base principal.  

Começamos nossa rota terrestre  em San Vicente do Mar, que pertence ao município de O Grove, península conhecida pela riqueza das suas águas em marisco e peixe fresco, e pela ilha de La Toja. E o objetivo é percorrer o caminho de madeira das Pedras  Preto  cerca de 8 quilômetros de extensão entre rochas imensas, embora possa ser visitado a qualquer hora do dia, durante o nascer do sol se tivermos a sorte de  Em um dia claro, observa-se um céu azul pálido de grande beleza,  Embora seu grande esplendor esteja no pôr do sol  quando  o sol se esconde na ilha de Savora  e o horizonte  Eu sei  tingir cores  laranjas, amarelos e vermelhos.  

ANÚNCIO

velero anuncio-3.jpg

De volta ao Veleiro continuamos a rota, partindo do Porto de San Vicente do Mar em direção à Baía de São Francisco pela Ria de  Muros Noia e até Muros. 

lago Xalfas y monte louro.jpg

À entrada do estuário de Muros y Noia, a majestade  do mítico Monte Louro na praia de Area Maior  (Área Mayor) e a lagoa de Xalfas continua  cativante. A Galiza transborda beleza nas suas muitas praias de areia branca e águas cristalinas onde o dedo de Deus desenhou belas paisagens. 

mouros.jpg

A chegada ao porto de  paredes  Isso não diminui os lugares que visitamos até agora. Muros é uma vila costeira onde a pesca e a marisqueira são a fonte de rendimento desde o século X.  No  No século XIX, empresários catalães chegaram à vila, criando mais de trinta fábricas de salga, especialmente sardinha e arenque,  sendo  principal sustento da aldeia.   Ainda hoje, o setor pesqueiro ainda é poderoso, e seu porto, além de velejador, é um porto marítimo que atrai iates e veleiros com grande turismo náutico.  

 

Um porto que não só foi escolhido como porta de entrada por quem fez uma peregrinação a Santiago de Compostela, como também foi escolhido por piratas  normandos e muçulmanos e não precisamente para ir em peregrinação, por isso o arcebispado  início do século XVI construiu uma  parede da qual ainda se pode ver em suas ruas e praças.  

vviendas marineras muros.jpg
vviendas marineras muros-3.jpg
vviendas marineras muros-4.jpg
vviendas marineras muros-2.jpg

O mar se formou e  Faz parte da vida desta cidade marítima  de ruas estreitas  batizado com nomes tão originais como a rua do sofrimento, da amargura, da saúde, da solidão, da esperança, da paciência  etc. Uma cidade de casas nobres e típicas  habitações marinhas  um ou dois andares com varandas e  baixo com arcadas onde os homens fixavam as artes de pesca enquanto as mulheres salgavam e lavavam o peixe. Seu centro histórico foi considerado em maio de 1970  Conjunto Histórico-Artístico,  para a conservação das suas típicas casas marítimas e dos seus palácios  Gótico e templos como a antiga igreja colegiada e a ermida da Virgen el Camino.

Praza do Concello.jpg

Praça do Concelho Também conhecida por Curro da Praza, era onde se realizavam as touradas.

mercado de abasto.jpg
plaza del cristo.jpg
peixateria.jpg

Os Cruceiros na Galiza fazem parte da sua identidade, diz-se que  Tem aproximadamente 10.000.  Em Muros existem vários que podemos encontrar em frente às igrejas nos caminhos e nas praças, como a Plaza del Cristo com uma cruz de pedra do século XVIII. Esta pequena praça, anteriormente conhecida como Plaza de la Leña, embeleza  seu centro uma cruz  cilíndrico com nós ou espinhos, e quatro cabeças de anjos em seus lados e nos cantos  frontais e outros contornos, belos ornamentos e folhagens. De um lado está a imagem do Redentor e do outro a Virgen de los Dolores. Em  um pedestal onde   descanso  em uma capital.  

O significado dessas cruzes é muito variado, alguns dizem que geralmente são erguidas como memória de um falecido por  famílias ricas para lembrar de um parente, outras para pedir perdão pelos pecados cometidos, outras para  guiar e dar proteção divina   aos peregrinos,  para doenças e  roubos  um perigo frequente   daqueles que realizam o Caminho de Santiago   até quase o final do século XX.  

Outra das suas praças de grande significado é a Plaza de la Pescadería Vieja, onde antigamente se distribuía o peixe, de onde se manteve a fonte do lagarto, na qual se pode ver o ano da sua construção em algarismos romanos.  A praça atualmente  convertido num espaço de lazer para desfrutar da excelente gastronomia galega e beber vinhos e tapas nas muitas naturezas-mortas e tabernas localizadas nas arcadas das antigas casas aqui localizadas.  

 

a Plaza del Mercado (antiga Plaza Mayor) com o mercado de abastecimento  um monumental edifício de cantaria e a sua peculiar escadaria dupla. 

ANÚNCIO

iglesia de san pedro.jpg
iglesia de san pedro-5.jpg
iglesia de san pedro-2.jpg
iglesia de san pedro-4.jpg
iglesia de san pedro-3.jpg

Igreja Paroquial de  São Pedro das Paredes 

Em uma primitiva igreja de estilo romano do século XII, da qual resta apenas o portal principal. Esta igreja foi convertida no início do século XVI  numa igreja colegiada graças aos Reis Católicos e ao Papa.

No estilo gótico Mariñeiro, são vários os estilos que contém como resultado das renovações que foram realizadas ao longo do tempo, o  torre e pórtico  Datadas do século XVII, são de estilo barroco e foram feitas pelo Grêmio do Mar.  

O seu interior é de nave única com amplos arcos que conduzem ao altar. E a grande surpresa está na sua pia de água benta, com uma  grande serpente esculpida enrolada em espiral. Uma alegoria do triunfo do bem sobre o mal ao ser purificado  Para a água. 

pozo de cachon.jpg
pozo de cachon-2.jpg

Moinho de maré Pozo de Cachón

A última visita a Muros é para  O Muíño de Maré do Pozo de Cachón, um antigo moinho construído no primeiro terço do século IX e que aproveitava a energia das marés para moer cereais, principalmente milho. Este tipo de moinhos represava a água com as marés altas e na maré baixa era canalizado para as suas rodas, que ao rodar activavam as mós, este tipo de construção era bastante comum em países como Irlanda e Holanda  e na Galiza  em algumas populações. Em Muros foi construído no início do século XIX e é  um dos maiores e mais importantes da Europa.  

Além de ter uma história de moagem, o edifício foi convertido no século XX numa casa de banhos, as Termas de Santa Rita, especializadas na cura de doenças reumáticas com base em tratamentos com água quente do mar e algas. Após vários proprietários e usos, o moinho foi recuperado pela Câmara Municipal de Muros e alberga o Centro de Interpretação da Ruta dos Muíños da Costa da Morte, onde foram construídas construções que fizeram parte da história da a área. O centro de interpretação está dividido em duas partes distintas: a área dedicada ao moinho e sede da instituição, e o armazém-balneário, que hoje funciona como sala de exposições.

ANÚNCIO

velero anuncio-2.jpg
isla de A Creba.jpg

Realizamos a última viagem por mar de Muros a Portosin.  Na travessia das Rías Muros Noia  Eu sei  observar a Ilha de A Creba. Uma ilha que é propriedade privada desde 1966.  

muito mudou  graças ao trabalho de repovoamento e cuidado dos pinheiros, pois na sua compra era apenas um promontório de restolho e pedras.  A ilha vista do mar parece esplêndida com a casa rodeada de pinheiros. 

NOIA
catedral noia.jpg

Uma vez descansado em Portosin  É imprescindível visitar Noia para visitar a Igreja de San Martiño de Noia em sua Plaza de Taral.  

A praça, além da igreja, completa  terraços de restaurantes e bares nas laterais e  uma cruz no meio dela.  

A igreja foi consagrada no ano santo de 1434, então  Aparece na parte inferior do lintel da porta principal.  estilo gótico  mariñeiro foi construído   onde antes havia  uma ermida em honra da Virgem Maria. 

Parece uma Fortaleza e as duas torres que a ladeiam em sua entrada principal  Eles se comunicam por um caminho costeiro.  

O portal principal é inspirado no pórtico  da Glória de Santiago de Compostela, o tímpano  Contém um brasão de Castilla y León ladeado pelas armas do Arcebispo Mendoza, promotor do Templo. 

Como pode ser visto das duas torres, uma está inacabada e segundo o relato há uma lenda negra sobre sua conclusão. Esta lenda local   Ele diz que quem tentar terminar aquela segunda torre terá um final trágico.  A  fim trágico  que tinha o mestre pedreiro que, no seu tempo, tentava terminar aquela segunda torre.

Real ou não, lenda ou superstição  a verdade é que em 1973 ocorreu um infeliz e lamentável acidente, quando estava a ser rodado um filme intitulado "Hell's Bell" e para a filmagem foi construído  a parte daquela torre em papel machê,  assim eles apareceriam no filme  as duas torres sineiras E quase uma vez terminado o filme, em um último plano, seu diretor Claudio Guerin subiu na torre para colocar a câmera ali e em sua tentativa, tropeçou e caiu no chão da praça, morrendo no local. No chão da praça há uma cruz vermelha pintada no local onde ele caiu  o infeliz diretor.  

catedral noia-2.jpg
catedral noia-3.jpg

A sua tampa é emoldurada por três arquivoltas sustentadas por três pares de colunas decoradas com animais e figuras humanas. Os capitéis com motivos vegetalistas.  

Do lado esquerdo do arco exterior aparece uma imagem da Virgem grávida e do lado direito o Arcanjo São Gabriel.  

No topo a figura de Cristo  e os doze anciões do Apocalipse com seus instrumentos dispostos radialmente.  

A roseta é  ladeado por quatro anjos com trombetas aos 4 ventos na visão apocalíptica clássica do juízo final. 
 

catedral noia-3.jpg

Aqui você pode ver a imagem da Virgem grávida. 

Igreja de Santa Maria la Nueva -  Museu das Lápides da Guilda

santa maria noia-7.jpg

Santa María A Nova, é uma igreja gótica de estilo Mariñeiro,  convertida em museu, que abriga o mais importante conjunto de lápides da Europa: são mais de 500 lápides dos séculos XIV a XIX de grande qualidade e muito bem conservadas que estão expostas no interior da igreja.

Chamada "A Nova" por ter sido construída sobre uma igreja românica, data de 1327, segundo uma inscrição em galego na verga da porta. De estilo gótico-marinheiro com reminiscências românicas, destaca-se sob a rosácea gótica o alpendre neoclássico de 1817. O tímpano representa a Adoração dos Magos que podem ser considerados os primeiros peregrinos: foram os primeiros a visitar um lugar santo. Os reis são colocados à direita da Virgem e do menino Jesus. 

santa maria noia-4.jpg
santa maria noia-5.jpg
santa maria noia-11.jpg

O museu contém lápides com inscrições gravadas  que se referem a  guildas, onde podem ser vistas a silhueta e os instrumentos de trabalho do falecido; sapateiros, ferreiros, alfaiates, marinheiros, açougueiros etc.  Marcas familiares, motivos heráldicos e figuras humanas. O mais famoso é o erroneamente chamado Pilgrim's Tombstone. Representa uma figura com vestimenta semelhante à do peregrino, mas o livro em sua mão e os instrumentos de trabalho na parte inferior indicam que seria um irmão, um carpinteiro, sua túnica, que chega aos pés, é adornada com conchas de vieiras; este último junto com a bengala, ou cajado, em sua mão direita, levou muitos a pensar que ele era um peregrino.

santa maria noia-8.jpg
santa maria noia-3.jpg

A pia batismal do século XV. Representa um personagem de frente com uma cruz na mão. Na coluna o que parece ser a Virgem com o Menino e uma cobra abaixo.

Localizado em frente à pia batismal  existe um sarcófago de um taverneiro do século XIV, Ioan de Estivadas.  Originalmente sepultado na Igreja de San Martiño.  

santa maria noia-6.jpg
santa maria noia-9.jpg
santa maria noia-10.jpg

No interior, o mais bem preservado,  Embora a maioria  estão lotados ao ar livre na parte de trás da igreja, onde o  o antigo cemitério. Um cemitério muito bem preservado e onde  a maioria dos túmulos estão no chão, contém duas cruzes de pedra, uma delas com um dossel   é um caso único na Galiza juntamente com o de Trinidad  em Bayonne e data do século XVI.  

Durante anos foi tradição celebrar festas campestres no cemitério, comendo, em muitos casos, nos túmulos: no local de descanso dos seus antepassados e onde repousavam. Uma celebração semelhante à que acontece em muitas cidades do México  para honrar os mortos,  que remonta à época pré-hispânica e que após a chegada dos espanhóis se misturou com as festividades católicas dos fiéis defuntos.

ponte nafonso.jpg

continuando  o caminho  uma ponte  sobre ele  Rio Tamber de origem medieval  Serve de encruzilhada entre os concelhos de Outes e Noia: Conhecida como a Ponte Nafonso, tem 12 séculos de história na Galiza. 

Uma ponte  com uma largura de 4,5 metros que não atende às condições atuais de trânsito de mercadorias. E durante anos o trânsito de mercadorias devia ser transportado por barcos no rio.   

 

Atualmente, foi construída uma nova ponte de via expressa de 12 metros de largura que conseguiu reduzir a distância entre Noia e Outes em mais de quatro quilômetros, melhorando substancialmente a comunicação entre Muros e Santiago. ​ A construção de uma grande ponte para unir as duas regiões historicamente separadas pelo estuário e por um grande rio era muito necessária, embora não fosse amplamente aceita devido à deterioração da paisagem. Os galegos adoram a paisagem que a natureza lhes deu e para eles é muito importante respeitar e conservar o património natural e a biodiversidade, bem como adoptar as medidas preventivas necessárias para garantir o seu uso e usufruto sustentável do ambiente natural. Não se deve esquecer que o Estuário do Tambre pertence à Rede Natura 2000, um local de grande valor ecológico.

Mosteiro de San Xusto de  Toxosoutos 

Toxosauto.jpg

Este mosteiro está localizado a 1 km de Noia, no sopé do rio San Xusto, um afluente do Sóñora ou Traba que desagua na Ria de Noia. Semi escondido que é acessado após uma longa escada para baixo da estrada. 

A fundação do mosteiro remonta ao século XII e deve-se a dois cavaleiros;  Froylán Alonso e Pedro Muñiz de Carnota que se retiram do  vida militar e decide refugiar-se na vida monástica na regra beneditina.

Com o tempo, o mosteiro cresceu em posses  tornando-se uma das mais ricas da Galiza, o que tornou necessário a formação de priorados para cuidar da administração.  

A partir do século XIV o mosteiro foi declinando devido a pressões nobres e eclesiásticas que suspiravam pelas riquezas de Toxosoutos.

em 1504  foi anexado ao Mosteiro de Sobrado dos Monxes e passou à ordem cisterciense. Suas posses restantes aumentaram as riquezas do mosteiro de Sobrado. Séculos depois, a invasão francesa e o famoso confisco de Mendizabal em 1835 levaram o mosteiro ao abandono.

San Xusto.jpg
San Xusto-2.jpg

Atualmente é um lugar para curtir a natureza, onde  Destaca-se a figura da sóbria igreja paroquial barroca do século XVIII, com uma grande torre anexada à esquerda da fachada. E poder curtir as cachoeiras do Rio São Xusto.  

 

Santiago.jpg

Continuamos nossa viagem com a esperança de chegar a Santiago antes das 6 da tarde, hora de fechamento para o  Escritório de Atendimento ao Peregrino  apresentar o Passaporte carimbado para obter a "Compostela". Chegamos a Bertamiráns onde paramos para comer e já com os olhos postos nas últimas onze  quilômetros que nos faltam para completar todo o caminho a pé.  

Uma vez que você pôs os pés em Santiago e obteve a "compostela", em frente à Catedral chega a felicidade e ao mesmo tempo a tristeza de ter terminado um "caminho" onde você deixou para trás uma viagem espetacular em um veleiro,  uma nova experiência  extraordinário para aqueles de nós que amam o mar.

Fazer o caminho jacobeu pode ser um ato de fé, para quem é religioso, embora atualmente não seja apenas a religiosidade que move quem deseja  chegar à cidade do Apóstolo. O CAMINHO é também uma forma de examinar a própria consciência e para isso não é necessário ser crente ou religioso. É uma forma de sair da desconexão de uma vida estressante que nos tempos atuais é muito comum e que homens e mulheres sofrem em seu trabalho diário.

 

O "CAMINHO" pode ser feito a pé, de bicicleta, a cavalo  de carro e agora em  barco a vela. São muitas as variedades que nos convidam a fazer um CAMINHO DE SANTIAGO que nos deve servir para regenerar a mente.  Caminhe sem pressa cobrindo cada centímetro de terra deixando a marca na terra,  respirando  ar puro e regenerando os sentidos com o aroma das flores, da terra húmida e do mar.

 

Suba em um veleiro na grandeza do mar e contemple a costa  nos faz pensar em chegar a lugares de grande beleza como a Ilha Cíes, visitar cidades  para nos enriquecer com seus monumentos, igrejas, praças e ruas e absorver a beleza dos lugares que compõem a ESTRADA. E nos faça mais sábios  com as pessoas que encontramos ao longo do caminho  enriquecendo-nos com as suas experiências vividas.

 

Não é necessário percorrer 500 quilômetros ou 300, temos muitas variantes da ESTRADA onde você pode desfrutar de belas cidades e  visita, igrejas, mosteiros, catedrais, capelas,  florestas, rios e pontes antigas. Praias e paisagens de grande beleza e claro, desfrute da mundialmente famosa gastronomia galega.  Uma viagem que é altamente recomendada.  

Se você está interessado neste  experiência pode informar-se AQUI

Você já comprou ou assinou nossa revista digital? Agora você pode lê-la em qualquer dispositivo, baixá-la e salvá-la em sua biblioteca digital.  Assinatura de 6 edições por ano por apenas 9,88€. 

Otros Destinos 50 Rajasthán portada .jpg
Otros Destinos 51 Amazonas.jpg
Ruta del Cister
Otros Destinos  Areas Naturales .jpg
Otros Destinos Portugal portada.jpg

OUTROS RELATÓRIOS 

jerusalen.jpg

cidade velha de jerusalém 

Racamadour.jpg

França: Rocamadour

Guatemala.jpg

Lugar Sagrado da Guatemala

Sintra Portugal

Lisboa: Sintra

GaronneprintempsToulouse2015_PatriceNinV

França: Toulouse

8FDDDA98-68FD-BA12-51CD-5FA07451BEB7.jpg

Lhasa: Capital do Tibete

Persepolis.jpeg

Irã:  Persépolis

rio dulce-2501-1.jpg

Rio Dulce, Tikal, Livingston

AïT BEN HADDU

AIT BEN HADDU. Marrocos

DSCF0363.jpg

Birmânia: Bagan 

Yellowstone_ Grand Prismatic.jpg

Parque N.Yellostone

AD5EB647-60B6-47AE-029D-59E0F039FEE5.jpg

Uma viagem de cruzeiro

Sido Bou Said.jpeg

Tunísia: Sidi Bou Said

Lago titicaca,Perú.jpg

Lago Titicaca Peru

Salar de Uyuny.jpg

Salar de Uyuny

_MG_5116-1.jpg

Argentina: El Chaltén 

_Otros_Destinos_Túnez_portada-1.jpg

Tunísia: destino múltiplo

Monasterio de Melk.jpeg

Áustria: Mosteiro de Melk

bottom of page